Pesquisar este blog

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

JÓ-13- SALMOS-17

 1 "Meus olhos viram tudo isso, meus ouvidos o ouviram e entenderam.
2 O que vocês sabem, eu também sei; não sou inferior a vocês.
3 Mas desejo falar ao Todo-poderoso e defender a minha causa diante de Deus.
4 Vocês, porém, me difamam com mentiras; todos vocês são médicos que de nada valem!
5 Se tão somente ficassem calados, mostrariam sabedoria.
6 Escutem agora o meu argumento; prestem atenção à réplica de meus lábios.
7 Vocês vão falar com maldade em nome de Deus? Vão falar enganosamente a favor dele?
8 Vão revelar parcialidade por ele? Vão defender a causa a favor de Deus?
9 Tudo iria bem se ele os examinasse? Vocês conseguiriam enganá-lo como podem enganar os homens?
10 Com certeza ele os repreenderia se, no íntimo, vocês fossem parciais.
11 O esplendor dele não os aterrorizaria? O pavor dele não cairia sobre vocês?
12 As máximas que vocês citam são provérbios de cinza; suas defesas não passam de barro.
13 "Aquietem-se e deixem-me falar, e aconteça comigo o que acontecer.
14 Por que me ponho em perigo e tomo a minha vida em minhas mãos?
15 Embora ele me mate, ainda assim esperarei nele; certo é que defenderei os meus caminhos diante dele.
16 Aliás, será essa a minha libertação, pois nenhum ímpio ousaria apresentar-se a ele!
17 Escutem atentamente as minhas palavras; que os seus ouvidos acolham o que eu digo.
18 Agora que preparei a minha defesa, sei que serei justificado.
19 Haverá quem me acuse? Se houver, ficarei calado e morrerei.
20 "Concede-me só estas duas coisas, ó Deus, e não me esconderei de ti:
21 Afasta de mim a tua mão e não mais me assustes com os teus terrores.
22 Chama-me, e eu responderei, ou deixa-me falar, e tu responderás.
23 Quantos erros e pecados cometi? Mostra-me a minha falta e o meu pecado.
24 Por que escondes o teu rosto e me consideras teu inimigo?
25 Atormentarás uma folha levada pelo vento? Perseguirás a palha?
26 Pois fazes constar contra mim coisas amargas e me fazes herdar os pecados da minha juventude.
27 Acorrentas os meus pés e vigias todos os meus caminhos, pondo limites aos meus passos.
28 "Assim o homem se consome como coisa podre, como a roupa que a traça vai roendo.

1 Ouve, Senhor, a minha justa queixa; atenta para o meu clamor. Dá ouvidos à minha oração, que não vem de lábios falsos.
2 Venha de ti a sentença em meu favor; vejam os teus olhos onde está a justiça!
3 Provas o meu coração e de noite me examinas; tu me sondas e nada encontras; decidi que a minha boca não pecará
4 como fazem os homens. Pela palavra dos teus lábios eu evitei os caminhos do violento.
5 Meus passos seguem firmes nas tuas veredas; os meus pés não escorregaram.
6 Eu clamo a ti, ó Deus, pois tu me respondes; inclina para mim os teus ouvidos e ouve a minha oração.
7 Mostra a maravilha do teu amor, tu, que com a tua mão direita salvas os que em ti buscam proteção contra aqueles que os ameaçam.
8 Protege-me como à menina dos teus olhos; esconde-me à sombra das tuas asas,
9 dos ímpios que me atacam com violência, dos inimigos mortais que me cercam.
10 Eles fecham o coração insensível e com a boca falam com arrogância.
11 Eles me seguem os passos e já me cercam; seus olhos estão atentos, prontos para derrubar-me.
12 São como um leão ávido pela presa, como um leão forte agachado na emboscada.
13 Levanta-te, Senhor! Confronta-os! Derruba-os! Com a tua espada livra-me dos ímpios.
14 Com a tua mão, Senhor, livra-me de homens assim, de homens deste mundo, cuja recompensa está nesta vida. Enche-lhes o ventre de tudo o que lhes reservaste; sejam os seus filhos saciados, e o que sobrar fique para os seus pequeninos.
15 Quanto a mim, feita a justiça, verei a tua face; quando despertar, ficarei satisfeito ao ver a tua semelhança.

Postar um comentário