Pesquisar este blog

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

provérbios 26-salmos119-105



         Como neve no verão ou chuva na colheita, assim a honra é imprópria para o tolo.
2 Como o pardal que voa em fuga, e a andorinha que esvoaça veloz, assim a maldição sem motivo justo não pega.
3 O chicote é para o cavalo; o freio, para o jumento; e a vara, para as costas do tolo!
4 Não responda ao insensato com igual insensatez, do contrário você se igualará a ele.
5 Responda ao insensato como a sua insensatez merece, do contrário ele pensará que é mesmo um sábio.
6 Como cortar o próprio pé ou beber veneno, assim é enviar mensagem pelas mãos do tolo.
7 Como pendem inúteis as pernas do coxo, assim é o provérbio na boca do tolo.
8 Como amarrar uma pedra na atiradeira, assim é prestar honra ao insensato.
9 Como ramo de espinhos nas mãos do bêbado, assim é o provérbio na boca do insensato.
10 Como o arqueiro que atira ao acaso, assim é quem contrata o tolo ou o primeiro que passa.
11 Como o cão volta ao seu vômito, assim o insensato repete a sua insensatez.
12 Você conhece alguém que se julga sábio? Há mais esperança para o insensato do que para ele.
13 O preguiçoso diz: "Lá está um leão no caminho, um leão feroz rugindo nas ruas!"
14 Como a porta gira em suas dobradiças, assim o preguiçoso se revira em sua cama.
15 O preguiçoso coloca a mão no prato, mas acha difícil demais levá-la de volta à boca.
16 O preguiçoso considera-se mais sábio do que sete homens que respondem com bom senso.
17 Como alguém que pega pelas orelhas um cão qualquer, assim é quem se mete em discussão alheia.
18 Como o louco que atira brasas e flechas mortais,
19 assim é o homem que engana o seu próximo e diz: "Eu estava só brincando!"
20 Sem lenha a fogueira se apaga; sem o caluniador morre a contenda.
21 O que o carvão é para as brasas e a lenha para a fogueira, o amigo de brigas é para atiçar discórdias.
22 As palavras do caluniador são como petiscos deliciosos; descem saborosos até o íntimo.
23 Como uma camada de esmalte sobre um vaso de barro, os lábios amistosos podem ocultar um coração mau.
24 Quem odeia disfarça as suas intenções com os lábios, mas no coração abriga a falsidade.
25 Embora a sua conversa seja mansa, não acredite nele, pois o seu coração está cheio de maldade.
26 Ele pode fingir e esconder o seu ódio, mas a sua maldade será exposta em público.
27 Quem faz uma cova, nela cairá; se alguém rola uma pedra, esta rolará de volta sobre ele.
28 A língua mentirosa odeia aqueles a quem fere, e a boca lisonjeira provoca a ruína.
103 Como são doces para o meu paladar as tuas palavras! Mais que o mel para a minha boca!
104 Ganho entendimento por meio dos teus preceitos; por isso odeio todo caminho de falsidade.
105 A tua palavra é lâmpada que ilumina os meus passos e luz que clareia o meu caminho.
106 Prometi sob juramento e o cumprirei: vou obedecer às tuas justas ordenanças.
107 Passei por muito sofrimento; preserva, Senhor, a minha vida, conforme a tua promessa.
108 Aceita, Senhor, a oferta de louvor dos meus lábios, e ensina-me as tuas ordenanças.
109 A minha vida está sempre em perigo, mas não me esqueço da tua lei.
110 Os ímpios prepararam uma armadilha contra mim, mas não me desviei dos teus preceitos.
111 Os teus testemunhos são a minha herança permanente; são a alegria do meu coração.
112 Dispus o meu coração para cumprir os teus decretos até o fim.
113 Odeio os que são inconstantes, mas amo a tua lei.
114 Tu és o meu abrigo e o meu escudo; e na tua palavra depositei a minha esperança.
115 Afastem-se de mim os que praticam o mal! Quero obedecer aos mandamentos do meu Deus!
116 Sustenta-me, segundo a tua promessa, e eu viverei; não permitas que se frustrem as minhas esperanças.
117 Ampara-me, e estarei seguro; sempre estarei atento aos teus decretos.
118 Tu rejeitas todos os que se desviam dos teus decretos, pois os seus planos enganosos são inúteis.
119 Tu destróis como refugo todos os ímpios da terra; por isso amo os teus testemunhos.
120 O meu corpo estremece diante de ti; as tuas ordenanças enchem-me de temor.
121 Tenho vivido com justiça e retidão; não me abandones nas mãos dos meus opressores.
122 Garante o bem-estar do teu servo; não permitas que os arrogantes me oprimam.
123 Os meus olhos fraquejam, aguardando a tua salvação e o cumprimento da tua justiça.
124 Trata o teu servo conforme o teu amor leal e ensina-me os teus decretos.
125 Sou teu servo; dá-me discernimento para compreender os teus testemunhos.
126 Já é tempo de agires, Senhor, pois a tua lei está sendo desrespeitada.
127 Eu amo os teus mandamentos mais do que o ouro, mais do que o ouro puro.
128 Por isso considero justos os teus preceitos e odeio todo caminho de falsidade.
129 Os teus testemunhos são maravilhosos; por isso lhes obedeço.
130 A explicação das tuas palavras ilumina e dá discernimento aos inexperientes.
131 Abro a boca e suspiro, ansiando por teus mandamentos.
132 Volta-te para mim e tem misericórdia de mim, como sempre fazes aos que amam o teu nome.
133 Dirige os meus passos, conforme a tua palavra; não permitas que nenhum pecado me domine.
134 Resgata-me da opressão dos homens, para que eu obedeça aos teus preceitos.
135 Faze o teu rosto resplandecer sobre o teu servo e ensina-me os teus decretos.
136 Rios de lágrimas correm dos meus olhos, porque a tua lei não é obedecida.
137 Justo és, Senhor, e retas são as tuas ordenanças.
138 Ordenaste os teus testemunhos com justiça; dignos são de inteira confiança!
139 O meu zelo me consome, pois os meus adversários se esquecem das tuas palavras.
140 A tua promessa foi plenamente comprovada, e, por isso, o teu servo a ama.
141 Sou pequeno e desprezado, mas não esqueço os teus preceitos.
142 A tua justiça é eterna, e a tua lei é a verdade.
143 Tribulação e angústia me atingiram, mas os teus mandamentos são o meu prazer.
144 Os teus testemunhos são eternamente justos, dá-me discernimento para que eu tenha vida.
145 Eu clamo de todo o coração; responde-me, Senhor, e obedecerei aos teus testemunhos!
146 Clamo a ti; salva-me, e obedecerei aos teus estatutos!
147 Antes do amanhecer me levanto e suplico o teu socorro; na tua palavra depositei a minha esperança.
148 Fico acordado nas vigílias da noite, para meditar nas tuas promessas.
149 Ouve a minha voz pelo teu amor leal; faze-me viver, Senhor, conforme as tuas ordenanças.
150 Os meus perseguidores aproximam-se com más intenções, mas estão distantes da tua lei.
151 Tu, porém, Senhor, estás perto, e todos os teus mandamentos são verdadeiros.
152 Há muito aprendi dos teus testemunhos que tu os estabeleceste para sempre.
153 Olha para o meu sofrimento e livra-me, pois não me esqueço da tua lei.
154 Defende a minha causa e resgata-me; preserva a minha vida conforme a tua promessa.
155 A salvação está longe dos ímpios, pois eles não buscam os teus decretos.
156 Grande é a tua compaixão, Senhor; preserva a minha vida conforme as tuas leis.
157 Muitos são os meus adversários e os meus perseguidores, mas eu não me desvio dos teus estatutos.
158 Com grande desgosto vejo os infiéis, que não obedecem à tua palavra.
159 Vê como amo os teus preceitos! Dá-me vida, Senhor, conforme o teu amor leal.
160 A verdade é a essência da tua palavra, e todas as tuas justas ordenanças são eternas.
161 Os poderosos perseguem-me sem motivo, mas é diante da tua palavra que o meu coração treme.
162 Eu me regozijo na tua promessa como alguém que encontra grandes despojos.
163 Odeio e detesto a falsidade, mas amo a tua lei.
164 Sete vezes por dia eu te louvo por causa das tuas justas ordenanças.
165 Os que amam a tua lei desfrutam paz, e nada há que os faça tropeçar.
166 Aguardo a tua salvação, Senhor, e pratico os teus mandamentos.
167 Obedeço aos teus testemunhos; amo-os infinitamente!
168 Obedeço a todos os teus preceitos e testemunhos, pois conheces todos os meus caminhos.
169 Chegue à tua presença o meu clamor, Senhor! Dá-me entendimento conforme a tua palavra.
170 Chegue a ti a minha súplica. Livra-me, conforme a tua promessa.
171 Meus lábios transbordarão de louvor, pois me ensinas os teus decretos.
172 A minha língua cantará a tua palavra, pois todos os teus mandamentos são justos.
173 Com tua mão vem ajudar-me, pois escolhi os teus preceitos.
174 Anseio pela tua salvação, Senhor, e a tua lei é o meu prazer.
175 Permite-me viver para que eu te louve; e que as tuas ordenanças me sustentem.
176 Andei vagando como ovelha perdida; vem em busca do teu servo, pois não me esqueci dos teus mandamentos.
Postar um comentário