Pesquisar este blog

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

ZACARIAS-8- ECLESIASTES-3

O Senhor promete abençoar Jerusalém

1 Mais uma vez veio a mim a palavra do Senhor dos Exércitos.
2 Assim diz o Senhor dos Exércitos: "Tenho muito ciúme de Sião; estou me consumindo de ciúmes por ela".
3 Assim diz o Senhor: "Estou voltando para Sião e habitarei em Jerusalém. Então Jerusalém será chamada Cidade da Verdade, e o monte do Senhor dos Exércitos será chamado monte Sagrado".
4 Assim diz o Senhor dos Exércitos: "Homens e mulheres de idade avançada volta­rão a sentar-se nas praças de Jerusalém, cada um com sua bengala, por causa da idade. 

5 As ruas da cidade ficarão cheias de meninos e meninas brincando.
6 "Mesmo que isso pareça impossível para o remanescente deste povo naquela época, será impossível para mim?", declara o Senhor dos Exércitos.
7 Assim diz o Senhor dos Exércitos: "Salvarei meu povo dos países do oriente e do ocidente.
8 Eu os trarei de volta para que habitem em Jerusalém; serão meu povo e eu serei o Deus deles, com fidelidade e justiça".
9 Assim diz o Senhor dos Exércitos: "Vocês que estão ouvindo hoje estas palavras já proferidas pelos profetas quando foram lançados os alicerces do templo do Senhor dos Exércitos, fortaleçam as mãos para que o templo seja construído.
10 Pois antes daquele tempo não havia salários para os homens nem para os animais. Ninguém podia tratar dos seus negócios com segurança por causa de seus adversários, porque eu tinha posto cada um contra o seu próximo.
11 Mas agora não mais tratarei com o remanescente deste povo como fiz no passado", declara o Senhor dos Exércitos.
12 "Haverá uma rica semeadura, a videira dará o seu fruto, a terra produzirá suas colhei­tas e o céu derramará o orvalho. E darei todas essas coisas como uma herança ao remanes­cente deste povo.
13 Assim como vocês foram uma maldição para as nações, ó Judá e Israel, também os salvarei e vocês serão uma bênção. Não tenham medo, antes, sejam fortes."
14 Assim diz o Senhor dos Exércitos: "Assim como eu havia decidido castigar vocês sem compaixão quando os seus antepassados me enfureceram", diz o Senhor dos Exérci­tos,
15 "tam­bém agora decidi fazer de novo o bem a Jerusalém e a Judá. Não tenham medo!
16 Eis o que devem fazer: Falem somente a verdade uns com os outros e julguem reta­mente em seus tribunais;
17 não planejem no íntimo o mal contra o seu próximo e não queiram jurar com falsidade. Porque eu odeio todas essas coisas", declara o Senhor.
18 Mais uma vez veio a mim a palavra do Senhor dos Exércitos.
19 Assim diz o Senhor dos Exércitos:
"Os jejuns do quarto mês, bem como os do quinto, do sétimo e do décimo mês serão ocasiões alegres e cheias de júbilo, festas felizes para o povo de Judá. Por isso amem a verdade e a paz".
20 Assim diz o Senhor dos Exércitos: "Povos e habitantes de muitas cidades ainda virão,
21 e os habitantes de uma cidade irão a outra e dirão: 'Vamos logo suplicar o favor do Senhor e buscar o Senhor dos Exércitos. Eu mesmo já estou indo'.
22 E muitos povos e nações poderosas virão buscar o Senhor dos Exércitos em Jerusalém e suplicar o seu fa­vor".
23 Assim diz o Senhor dos Exércitos: "Naqueles dias, dez homens de todas as lín­guas e nações agarrarão firmemente a barra das vestes de um judeu e dirão: 'Nós vamos com você porque ouvimos dizer que Deus está com o seu povo"


udo tem um tempo próprio

1 Para tudo há uma ocasião certa;
há um tempo certo para cada propósito
debaixo do céu:
2 Tempo de nascer e tempo de morrer,
tempo de plantar
e tempo de arrancar o que se plantou,
3 tempo de matar e tempo de curar,
tempo de derrubar e tempo de construir,
4 tempo de chorar e tempo de rir,
tempo de prantear e tempo de dançar

5 tempo de espalhar pedras
e tempo de ajuntá-las,
tempo de abraçar e tempo de se conter,
6 tempo de procurar e tempo de desistir,
tempo de guardar
e tempo de jogar fora,
7 tempo de rasgar e tempo de costurar,
tempo de calar e tempo de falar,
8 tempo de amar e tempo de odiar,
tempo de lutar e tempo de viver em paz.
9 O que ganha o trabalhador com todo o seu esforço?
10 Tenho visto o fardo que Deus impôs aos homens.
11 Ele fez tudo apropriado ao seu tempo. Também pôs no coração do homem o anseio pela eternidade; mesmo assim ele não consegue compreender inteiramente o que Deus fez.
12 Descobri que não há nada melhor para o homem do que ser feliz e praticar o bem enquan­to vive.
13 Descobri também que poder comer, beber e ser recompensado pelo seu trabalho é um presente de Deus.
14 Sei que tudo o que Deus faz permanecerá para sempre; a isso nada se pode acrescentar, e disso nada se pode tirar. Deus assim faz para que os homens o temam.
15 Aquilo que é, já foi,
e o que será, já foi anteriormente;
Deus investigará o passado.
16 Descobri também que debaixo do sol:
No lugar da justiça havia impiedade;
no lugar da retidão,
ainda mais impiedade.
17 Fiquei pensando:
O justo e o ímpio,
Deus julgará ambos,
pois há um tempo para todo propósito,
um tempo para tudo o que acontece.
18 Também pensei: Deus prova os homens para que vejam que são como os animais.
19 O destino do homem é o mesmo do animal; o mesmo destino os aguarda. Assim como morre um, também morre o outro. Todos têm o mesmo fôlego de vida; o homem não tem vantagem alguma sobre o animal. Nada faz sentido!
20 To­dos vão para o mesmo lugar; vieram todos do pó, e ao pó todos retornarão.
21 Quem pode dizer se o fôlego do homem sobe às alturas e se o fôlego do animal desce para a terra?
22 Por isso concluí que não há nada melhor para o homem do que desfrutar do seu trabalho, porque esta é a sua recompensa. Pois, quem poderá fazê-lo ver o que acontecerá depois de morto?
Postar um comentário