Pesquisar este blog

quinta-feira, 18 de julho de 2013

APOCALIPSE=6-PR0VERBIO-4 SALMO-6


O Cordeiro quebra os selos

1 Observei quando o Cordeiro abriu o primeiro dos sete selos. Então ouvi um dos seres viventes dizer com voz de trovão: "Venha!"
2 Olhei, e diante de mim estava um cavalo branco. Seu cavaleiro empunhava um arco, e foi-lhe dada uma coroa; ele cavalgava como vencedor determinado a vencer.
3 Quando o Cordeiro abriu o segundo selo, ouvi o segundo ser vivente dizer: "Venha!"
4 Então saiu outro cavalo; e este era vermelho. Seu cavaleiro recebeu poder para tirar a paz da terra e fazer que os homens se matassem uns aos outros. E lhe foi dada uma grande espada.
5 Quando o Cordeiro abriu o terceiro selo, ouvi o terceiro ser vivente dizer: "Venha!" Olhei, e diante de mim estava um cavalo preto. Seu cavaleiro tinha na mão uma balança.
6 Então ouvi o que parecia uma voz entre os quatro seres viventes, dizendo: "Um quilo de trigo por um denário e três quilos de cevada por um denário, e não danifique o azeite e o vinho!"
7 Quando o Cordeiro abriu o quarto selo, ouvi a voz do quarto ser vivente dizer: "Venha!"
8 Olhei, e diante de mim estava um cavalo amarelo. Seu cavaleiro chamava-se Morte, e o Hades o seguia de perto. Foi-lhes dado poder sobre um quarto da terra para matar pela espada, pela fome, por pragas e por meio dos animais selvagens da terra.
9 Quando ele abriu o quinto selo, vi debaixo do altar as almas daqueles que haviam sido mortos por causa da palavra de Deus e do testemunho que deram.
10 Eles clamavam em alta voz: "Até quando, ó Soberano, santo e verdadeiro, esperarás para julgar os habitantes da terra e vingar o nosso sangue?"
11 Então cada um deles recebeu uma veste branca, e foi-lhes dito que esperassem um pouco mais, até que se completasse o número dos seus conservos e irmãos que deveriam ser mortos como eles.
12 Observei quando ele abriu o sexto selo. Houve um grande terremoto. O sol ficou escuro como tecido de crina negra, toda a lua tornou-se vermelha como sangue,
13 e as estrelas do céu caíram sobre a terra como figos verdes caem da figueira quando sacudidos por um vento forte.
14 O céu se recolheu como se enrola um pergaminho, e todas as montanhas e ilhas foram removidas de seus lugares.
15 Então os reis da terra, os príncipes, os generais, os ricos, os poderosos - todos, escravos e livres, se esconderam em cavernas e entre as rochas das montanhas.
16 Eles gritavam às montanhas e às rochas: "Caiam sobre nós e escondam-nos daface daquele que está assentado no trono e da ira do Cordeiro!
17 Pois chegou o grande dia da ira deles; e quem poderá suportar?"

A excelência da sabedoria

1 Ouçam, meus filhos, a instrução de um pai; estejam atentos e obterão discernimento.
2 O ensino que ofereço a vocês é bom; por isso não abandonem a minha instrução.
3 Quando eu era menino, ainda pequeno, em companhia de meu pai, um filho muito especial para minha mãe,
4 ele me ensinava e me dizia: "Apegue-se às minhas palavras de todo o coração; obedeça aos meus mandamentos, e você terá vida.
5 Procure obter sabedoria e entendimento; não se esqueça das minhas palavras nem delas se afaste.
6 Não abandone a sabedoria, e ela o protegerá; ame-a, e ela cuidará de você.
7 O conselho da sabedoria é: Procure obter sabedoria; use tudo o que você possui para adquirir entendimento.
8 Dedique alta estima à sabedoria, e ela o exaltará; abrace-a, e ela o honrará.
9 Ela porá um belo diadema sobre a sua cabeça e dará de presente a você uma coroa de esplendor".
10 Ouça, meu filho, e aceite o que digo, e você terá vida longa.
11 Eu o conduzi pelo caminho da sabedoria e o encaminhei por veredas retas.
12 Assim, quando você por elas seguir, não encontrará obstáculos; quando correr, não tropeçará.
13 Apegue-se à instrução, não a abandone; guarde-a bem, pois dela depende a sua vida.
14 Não siga pela vereda dos ímpios nem ande no caminho dos maus.
15 Evite-o, não passe por ele; afaste-se e não se detenha.
16 Porque eles não conseguem dormir enquanto não fazem o mal; perdem o sono se não causarem a ruína de alguém.
17 Pois eles se alimentam de maldade, e se embriagam de violência.
18 A vereda do justo é como a luz da alvorada, que brilha cada vez mais até a plena claridade do dia.
19 Mas o caminho dos ímpios é como densas trevas; nem sequer sabem em que tropeçam.
20 Meu filho, escute o que digo a você; preste atenção às minhas palavras.
21 Nunca as perca de vista; guarde-as no fundo do coração,
22 pois são vida para quem as encontra e saúde para todo o seu ser.
23 Acima de tudo, guarde o seu coração, pois dele depende toda a sua vida.
24 Afaste da sua boca as palavras perversas; fique longe dos seus lábios a maldade.
25 Olhe sempre para a frente, mantenha o olhar fixo no que está adiante de você.
26 Veja bem por onde anda, e os seus passos serão seguros.
27 Não se desvie nem para a direita nem para a esquerda; afaste os seus pés da maldade.
 Senhor, não me castigues na tua ira nem me disciplines no teu furor.
2 Misericórdia, Senhor, pois vou desfalecendo! Cura-me, Senhor, pois os meus ossos tremem:
3 todo o meu ser estremece. Até quando, Senhor, até quando?
4 Volta-te, Senhor, e livra-me; salva-me por causa do teu amor leal.
5 Quem morreu não se lembra de ti. Entre os mortos, quem te louvará?
6 Estou exausto de tanto gemer. De tanto chorar inundo de noite a minha cama; de lágrimas encharco o meu leito.
7 Os meus olhos se consomem de tristeza; fraquejam por causa de todos os meus adversários.
8 Afastem-se de mim todos vocês que praticam o mal, porque o Senhor ouviu o meu choro.
9 O Senhor ouviu a minha súplica; o Senhor aceitou a minha oração.
10 Serão humilhados e aterrorizados todos os meus inimigos; frustrados, recuarão de repente.
Postar um comentário