Pesquisar este blog

quarta-feira, 27 de março de 2013

jesus amado te amor jesus


Provérbios de Salomão

1 Provérbios de Salomão: O filho sábio dá alegria ao pai; o filho tolo dá tristeza à mãe.
2 Os tesouros de origem desonesta não servem para nada, mas a retidão livra da morte.
3 O Senhor não deixa o justo passar fome, mas frustra a ambição dos ímpios.
4 As mãos preguiçosas empobrecem o homem, porém as mãos diligentes lhe trazem riqueza.
5 Aquele que faz a colheita no verão é filho sensato, mas aquele que dorme durante a ceifa é filho que causa vergonha.
6 As bênçãos coroam a cabeça dos justos, mas a boca dos ímpios abriga a violência.
7 A memória deixada pelos justos será uma bênção, mas o nome dos ímpios apodrecerá.
8 Os sábios de coração aceitam mandamentos, mas a boca do insensato o leva à ruína.
9 Quem anda com integridade anda com segurança, mas quem segue veredas tortuosas será descoberto.
10 Aquele que pisca maliciosamente causa tristeza, e a boca do insensato o leva à ruína.
11 A boca do justo é fonte de vida, mas a boca dos ímpios abriga a violência.
12 O ódio provoca dissensão, mas o amor cobre todos os pecados.
13 A sabedoria está nos lábios dos que têm discernimento, mas a vara é para as costas daquele que não tem juízo.
14 Os sábios acumulam conhecimento, mas a boca do insensato é um convite à ruína.
15 A riqueza dos ricos é a sua cidade fortificada, mas a pobreza é a ruína dos pobres.
16 O salário do justo lhe traz vida, mas a renda do ímpio lhe traz castigo.
17 Quem acolhe a disciplina mostra o caminho da vida, mas quem ignora a repreensão desencaminha outros.
18 Quem esconde o ódio tem lábios mentirosos, e quem espalha calúnia é tolo.
19 Quando são muitas as palavras, o pecado está presente, mas quem controla a língua é sensato.
20 A língua dos justos é prata escolhida, mas o coração dos ímpios quase não tem valor.
21 As palavras dos justos dão sustento a muitos, mas os insensatos morrem por falta de juízo.
22 A bênção do Senhor traz riqueza e não inclui dor alguma.
23 O tolo encontra prazer na má conduta, mas o homem cheio de entendimento deleita-se na sabedoria.
24 O que o ímpio teme lhe acontecerá; o que os justos desejam lhes será concedido.
25 Passada a tempestade, o ímpio já não existe, mas o justo permanece firme para sempre.
26 Como o vinagre para os dentes e a fumaça para os olhos, assim é o preguiçoso para aqueles que o enviam.
27 O temor do Senhor prolonga a vida, mas a vida do ímpio é abreviada.
28 O que o justo almeja redunda em alegria, mas as esperanças dos ímpios dão em nada.
29 O caminho do Senhor é o refúgio dos íntegros, mas é a ruína dos que praticam o mal.
30 Os justos jamais serão desarraigados, mas os ímpios pouco duram na terra.
31 A boca do justo produz sabedoria, mas a língua perversa será extirpada.
32 Os lábios do justo sabem o que é próprio, mas a boca dos ímpios só conhece a perversidade.

 

1 Defende-me, Senhor, dos que me acusam; luta contra os que lutam comigo.
2 Toma os escudos, o grande e o pequeno; levanta-te e vem socorrer-me.
3 Empunha a lança e o machado de guerra contra os meus perseguidores. Dize à minha alma: "Eu sou a sua salvação".
4 Sejam humilhados e desprezados os que procuram matar-me; retrocedam envergonhados aqueles que tramam a minha ruína.
5 Que eles sejam como a palha ao vento, quando o anjo do Senhor os expulsar;
6 seja a vereda deles sombria e escorregadia, quando o anjo do Senhor os perseguir.
7 Já que, sem motivo, prepararam contra mim uma armadilha oculta e, sem motivo, abriram uma cova para mim,
8 que a ruína lhes sobrevenha de surpresa: sejam presos pela armadilha que prepararam, caiam na cova que abriram, para a sua própria ruína.
9 Então a minha alma exultará no Senhor e se regozijará na sua salvação.
10 Todo o meu ser exclamará: "Quem se compara a ti, Senhor? Tu livras os necessitados daqueles que são mais poderosos do que eles, livras os necessitados e os pobres daqueles que os exploram."
11 Testemunhas maldosas enfrentam-me e questionam-me sobre coisas de que nada sei.
12 Elas me retribuem o bem com o mal e procuram tirar-me a vida.
13 Contudo, quando estavam doentes, usei vestes de lamento, humilhei-me com jejum e recolhi-me em oração.
14 Saí vagueando e pranteando, como por um amigo ou por um irmão. Eu me prostrei enlutado, como quem lamenta por sua mãe.
15 Mas, quando tropecei, eles se reuniram alegres; sem que eu o soubesse, ajuntaram-se para me atacar. Eles me agrediram sem cessar.
16 Como ímpios caçoando do meu refúgio, rosnaram contra mim.
17 Senhor, até quando ficarás olhando? Livra-me dos ataques deles, livra a minha vida preciosa desses leões.
18 Eu te darei graças na grande assembleia; no meio da grande multidão te louvarei.
19 Não deixes que os meus inimigos traiçoeiros se divirtam à minha custa; não permitas que aqueles que sem razão me odeiam troquem olhares de desprezo.
20 Não falam pacificamente, mas planejam acusações falsas contra os que vivem tranquilamente na terra.
21 Com a boca escancarada, riem de mim e me acusam: "Nós vimos! Sabemos de tudo!"
22 Tu viste isso, Senhor! Não fiques calado. Não te afastes de mim, Senhor,
23 Acorda! Desperta! Faze-me justiça! Defende a minha causa, meu Deus e Senhor.
24 Senhor, meu Deus, tu és justo; faze-me justiça para que eles não se alegrem à minha custa.
25 Não deixes que pensem: "Ah! Era isso que queríamos!" nem que digam: "Acabamos com ele!"
26 Sejam humilhados e frustrados todos os que se divertem à custa do meu sofrimento; cubram-se de vergonha e desonra todos os que se acham superiores a mim.
27 Cantem de alegria e regozijo todos os que desejam ver provada a minha inocência e sempre repitam: "O Senhor seja engrandecido! Ele tem prazer no bem-estar do seu servo".
28 Minha língua proclamará a tua justiça e o teu louvor o dia inteiro.
Postar um comentário