Pesquisar este blog

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

DANIEL-4 O DOM DA PALAVRA


     
 O rei Nabucodonosor, aos homens de todos os povos, nações e línguas, que vivem no mundo inteiro: Paz e prosperidade!
2 Tenho a satisfação de falar a vocês a respeito dos sinais e das maravilhas que o Deus Altíssimo realizou em meu favor.
3 Como são grandes os seus sinais! como são poderosas as suas maravilhas! O seu reino é um reino eterno; o seu domínio dura de geração em geração.
4 Eu, Nabucodonosor, estava satisfeito e próspero em casa, no meu palácio.
5 Tive um sonho que me deixou alarmado. Estando eu deitado em minha cama, os pensamentos e visões que passaram pela minha mente deixaram-me aterrorizado.
6 Por isso decretei que todos os sábios da Babilônia fossem trazidos à minha presença para interpretarem o sonho para mim.
7 Quando os magos, os encantadores, os astrólogos e os adivinhos vieram, contei-lhes o sonho, mas eles não puderam interpretá-lo.
8 Por fim veio Daniel à minha presença e eu lhe contei o sonho. Ele é chamado Beltessazar, em home­nagem ao nome do meu deus; e o espírito dos santos deuses está nele.
9 Eu disse: Beltessazar, chefe dos magos, sei que o espírito dos santos deuses está em você, e que nenhum mistério é difícil demais para você. Vou contar o meu sonho; interprete-o para mim.
10 Estas são as visões que tive quando estava deitado em minha cama: olhei, e diante de mim estava uma árvore muito alta no meio da terra.
11 A árvore cresceu tanto que a sua copa encostou no céu; era visível até os confins da terra.
12 Tinha belas folhas, muitos frutos, e nela havia alimento para todos. Debaixo dela os animais do campo acha­vam abrigo, e as aves do céu viviam em seus galhos; todas as criaturas se alimentavam daquela árvore.
13 Nas visões que tive deitado em minha cama, olhei e vi diante de mim uma sentinela, um anjo que descia do céu;
14 ele gritou em alta voz: "Derrubem a árvore e cortem os seus galhos; arranquem as suas folhas e espalhem os seus frutos. Fujam os animais de debaixo dela e as aves dos seus galhos.
15 Mas deixem o toco e as suas raízes, presos com ferro e bronze; fique ele no chão, em meio à relva do campo."Ele será molhado com o orvalho do céu e com os animais comerá a grama da terra.
16 A mente humana lhe será tirada, e ele será como um animal, até que se passem sete tempos.
17 "A decisão é anunciada por sentinelas, os anjos declaram o veredicto, para que todos os que vivem saibam que o Altíssimo domina sobre os reinos dos homens e os dá a quem quer, e põe no poder o mais simples dos ho­mens".
18 Esse é o sonho que eu, o rei Nabucodo­nosor, tive. Agora, Beltessazar, diga-me o significado do sonho, pois nenhum dos sábios do meu reino consegue interpretá-lo para mim, exceto você, pois o espírito dos santos deuses está em você.

Daniel interpreta o sonho

19 Então Daniel, também chamado Beltessa­zar, ficou estarrecido por algum tempo, e os seus pensamentos o deixaram aterrorizado. Então o rei disse: "Beltessazar, não deixe que o sonho ou a sua interpretação o assuste".Beltessazar respondeu: "Meu senhor, quem dera o sonho só se aplicasse aos teus inimigos e o seu significado somente aos teus adversários!
20 A árvore que viste, que cresceu e ficou enor­me, cuja copa encostava no céu, visível em toda a terra,
21 com belas folhas e muitos frutos, na qual havia alimento para todos, abrigo para os animais do campo, e morada para as aves do céu nos seus galhos -
22 essa árvore, ó rei, és tu! Tu te tornaste grande e poderoso, pois a tua gran­deza cresceu até alcançar o céu, e o teu domínio se estende até os confins da terra.
23 "E tu, ó rei, viste também uma sentinela, o anjo que descia do céu e dizia: 'Derrubem a árvore e destruam-na, mas deixem o toco e as suas raízes, presos com ferro e bronze; fique ele no chão, em meio à relva do campo. Ele será molhado com o orvalho do céu e viverá com os animais selvagens, até que se passem sete tem­pos'.
24 "Esta é a interpretação, ó rei, e este é o decreto que o Altíssimo emitiu contra o rei, meu senhor:
25 Tu serás expulso do meio dos homens e viverás com os animais selvagens; comerás capim como os bois e te molharás com o orva­lho do céu. Passarão sete tempos até que admi­tas que o Altíssimo domina sobre os reinos dos homens e os dá a quem quer.
26 A ordem para deixar o toco da árvore com as raízes significa que o teu reino te será devolvido quando reco­nheceres que os Céus dominam.
27 Portanto, ó rei, aceita o meu conselho: Renuncia a teus pecados e à tua maldade, pratica a justiça e tem compaixão dos necessitados. Talvez, então, continues a viver em paz".

O sonho é realizado

28 Tudo isso aconteceu com o rei Nabuco­donosor.
29 Doze meses depois, quando o rei estava andando no terraço do palácio real da Babilônia,
30 disse: "Acaso não é esta a grande Babilônia que eu construí como capital do meu reino, com o meu enorme poder e para a glória da minha majestade?"
31 As palavras ainda estavam nos seus lábios quando veio do céu uma voz que disse: "É isto que está decretado quanto a você, rei Nabuco­donosor: Sua autoridade real foi tirada.
32 Você será expulso do meio dos homens, viverá com os animais selvagens e comerá capim como os bois. Passarão sete tempos até que admita que o Altíssimo domina sobre os reinos dos homens e os dá a quem quer".
33 A sentença sobre Nabucodonosor cumpriu-se imediatamente. Ele foi expulso do meio dos homens e passou a comer capim como os bois. Seu corpo molhou-se com o orvalho do céu, até que os seus cabelos e pelos cresceram como as penas da águia, e as suas unhas como as garras das aves.
34 Ao fim daquele período, eu, Nabucodo­nosor, levantei os olhos ao céu, e percebi que o meu entendimento tinha voltado. Então louvei o Altíssimo; honrei e glorifiquei aquele que vive para sempre. "O seu domínio é um domínio eterno; o seu reino dura de geração em geração.
35 Todos os povos da terra são como nada diante dele. Ele age como lhe agrada com os exércitos dos céus e com os habitantes da terra. Ninguém é capaz de resistir à sua mão ou dizer-lhe: 'O que fizeste?'
36 Naquele momento voltou-me o entendi­mento, e eu recuperei a honra, a majestade e a glória do meu reino. Meus conselheiros e os nobres me procuraram, meu trono me foi restaurado, e minha grandeza veio a ser ainda maior.
37 Agora eu, Nabucodonosor, louvo, exalto e glorifico o Rei dos céus, porque tudo o que ele faz é certo, e todos os seus caminhos são justos. E ele tem poder para humilhar aqueles que vivem com arrogância".

Esta palavra fala muitas das vezes de nós que vivenciamos á verdade e deixamos de pratica la por muitas das vezes, os atos os ezageiros á cobiça o rei Nabucodonosor, ele tinha tudo e confiava em Deus, mais sua arogacia sua falta de amor o fez
Ver o mundo como ele é o pai mostrou a ele que
Deus tudo pode as vezes as nossas vestes estão escuras e nós temamos a enchergar o inimigo nós disafia e nós o deixamos entra e quando ele 
Entra é muito difícil de sair, jesus veio e mostrou que vestes da terra fica na terra e vestes do espirito santo são veste que vai na alma a verdade de viver, na mentira na negação isso é com você, jesus saber ele te ver te 
Conhecer o seu coração, por que muitas das vezes precisamos entender que tudo que Deus faz e por amor a nós. veja hoje o não que fala, o sim que fala, as coisas deixadas para trás o bom  
DIA a palavra com que você esta com rancor, 
Deus não quer você, com desa vessa com família
Com o coração com magoa calado,  há fulano é do mundo eu só quero as coisa certas.
SERA que falando assim você esta  certo? Para jesus todos são dele ele veio para salva todos então, olha quem você não fala, vai
Derrote o inimigo e fala diga tudo que seu coração pedir tire as magos do passado viva á 
Palavra de Deus com o coração limpo seja um
DIA a paz fala de amor, esquece o que passou. 
Jesus te ama e te perdoou por que você não perdoa você pode é só confiar.
Jesus te ama seja a paz.
Postar um comentário